Coco Chanel

Quem não gosta de estar consigo mesmo em geral está certo.

Não há tempo para a monotonia do previsível. Há tempo para o trabalho. E tempo para o amor. Isso nos toma todo o tempo.

Já que tudo está na nossa cabeça, é melhor a gente não perdê-la.

Meus amigos, não tenho amigos.

A lenda é a consagração da celebridade.

Eu não entendo como uma mulher pode sair de casa sem se arrumar um pouco – mesmo que por delicadeza. Depois, nunca se sabe, talvez seja o dia em que ela tem um encontro com o destino. E é melhor estar tão bonita quanto for possível para o destino.

‘Onde uma mulher deve usar perfume?’, perguntou-me uma moça. ‘Onde ela quiser ser beijada’, eu respondi.

A moda virou uma piada. Os designers se esqueceram que existe mulheres dentro das roupas. A maioria das mulheres se veste para os homens e quer ser admirada. Mas elas também precisam andar, entrar num carro sem arrebentar a costura! Roupas têm que ter uma forma natural.

Moda é arquitetura: é uma questão de proporções.

Uma mulher possui a idade que merece.

O luxo precisa ser confortável, senão não é luxo.

Elegância é recusar.

Não existe moda para os velhos.

A moda é feita para se tornar demodê.

Uma moda que não chega às ruas não pode ser chamada de moda.

A moda não é algo presente apenas nas roupas. A moda está no céu, nas ruas, a moda tem a ver com idéias, a forma como vivemos, o que está acontecendo.

Quantos cuidados uma pessoa precisa tomar quando decide não ser algo mas sim alguém.

A moda reivindica o direito individual de valorizar o efêmero.

Eu já não sou o que era: devo ser o que me tornei.

Compartilhar:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta