Alfred Hitchcock

Compartilhar:

Chega num ponto onde você diz que não vai mais fazer filmes juvenis.

Quando um ator vem até mim e quer discutir seu personagem, eu digo, ‘Está no roteiro’. Se ele disser, ‘Mas qual a minha motivação?’, eu respondo, ‘Seu salário’.

Parece que temos uma compulsão atualmente em enterrar cápsulas do tempo para dar às pessoas do próximo século alguma idéia do que somos. Eu preparei uma das minhas próprias cápsulas do tempo. Coloquei umas amostras de dinamite, pólvora e nitroglicerina. Minha cápsula do tempo vai até o ano 3000. Ela mostrará a eles o que realmente somos.

Este prêmio é significante porque vem de meus companheiros comerciantes da celulóide.

Não há nenhum prêmio a ganhar, na verdade. Isso é, se você for abençoado com um olho afiado, uma mente ágil e nenhum escrúpulo.

Não há nada tão bom quanto um funeral no mar. É simples, limpo e não muito incriminador.

Não há terror num murro, somente na antecipação dele.

O jornal é muito interessante, mas eu acho que jamais substituirá o livro por ser um apoio de porta muito pobre.

A única forma de me livrar de meus medos é fazer filmes sobre eles.

A duração de um filme deveria estar diretamente relacionada à paciência da bexiga urinária humana.

A televisão é como a invenção da solda caseira. Ela não mudou o hábito das pessoas. Ela apenas as manteve dentro de casa.

A televisão é como a torradeira americana, você aperta o botão e a mesma coisa salta toda a vez.

A televisão tem feito muito pela psiquiatria ao espalhar informações sobre ela, bem como ao contribuir para a necessidade dela.

A televisão trouxe de volta o assassinato para o lar, que é o lugar ao qual ele pertence.

Alguém me disse uma vez que a todo minuto ocorre um assassinato, por isso não quero te fazer perder tempo, sei que você quer voltar ao trabalho.

Alguns de nossos assassinatos mais esquisitos são domésticos, executados com ternura em lugares simples e caseiros como a mesa da cozinha.

Auto-plagiar-se é estilo.

Ver um assassinato na televisão pode ajudar a tirar gradualmente os antagonismos disso. E se você não tiver nenhum antagonismo, os comerciais lhe darão algum.

Não se deve nunca armar um assassinato. Eles devem acontecer inesperadamente, como na vida.

Antigamente, os vilões tinham bigode e chutavam os cachorros. Hoje o público está mais inteligente. Eles não querem que o vilão seja jogado neles com um holofote verde na cara. Querem um humano comum com defeitos.

Como vocês viram na tela; a melhor maneira de fazer isso é com uma tesoura. Obs.: Comentando a cena de assassinato em Disque M Para Matar.

Nos filmes, assassinatos são sempre muito limpos. Eu mostro o quão difícil é e como é repugnante matar um homem.

Nos filmes de cinema o diretor é Deus; nos documentários Deus é o diretor.

Se o filme for bom, o som pode sumir que o público ainda teria uma idéia perfeitamente clara do que está acontecendo.

Não sou contra a polícia; só tenho medo dela.

Sou cheio de medos e faço o que posso para evitar dificuldades e qualquer tipo de complicações. Gosto que tudo ao meu redor seja claro como cristal e completamente calmo.

Morro de medo de ovos, pior do que morrer de medo, eles me revoltam. Aquela coisa branca arredondada sem nenhum buraco. Você já viu algo mais revoltante de que uma gema de ovo quebrando e derramando seu líquido amarelo? O sangue é alegre, vermelho. Mas a gema do ovo é amarela, revoltante. Eu nunca a provei.

Eu entendo que o inventor da gaita de fole foi inspirado quando viu um homem carregando um porco asmático e indignado sob seus braços. Infelizmente, o som artificial nunca se igualou à pureza do som obtido pelo porco.

Nunca disse que todos os atores são gados; o que eu disse foi que todos os atores deveriam ser tratados como gado.

Eu concedo ao público choques benéficos.

Me assusto facilmente, aqui está uma lista da minha produção de adrenalina: 1 – criancinhas; 2 – policiais; 3 – lugares altos; 4 – que meu próximo filme não vai ser tão bom quanto o último.

Sou um diretor estereotipado. Se eu fizesse Cinderella, o público estaria imediatamente procurando por um corpo na carruagem.

Dê-lhes prazer – o mesmo prazer que têm quando acordam de um pesadelo.

Para mim, o cinema não é uma fatia da vida, mas sim uma pedaço de bolo.

Drama é vida sem os momentos estúpidos que a cercam.
Walt Disney tem o melhor elenco. Se não gosta de um ator, ele simplesmente o apaga.

O diálogo deveria ser apenas um som entre outros sons, apenas algo que sai das bocas das pessoas cujos olhos contam a história em termos visuais.

As louras fazem as melhores vítimas. Elas são como virgens que mostram as pegadas sangrentas.

Sempre faça o público sofrer tanto quanto for possível.

Atores são gados.

Um monte de filmes são sobre a vida, os meus são como uma fatia de bolo.

Um bom filme é quando o preço do jantar, da entrada do cinema e da babá valeram a pena.


Compartilhar:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta