Friedrich Nietzsche

Compartilhar:

Aquilo que se faz por amor, parece ir sempre além dos limites do bem e do mal.

Existo, logo penso.

As paisagens insignificantes existem para os grandes paisagistas; as paisagens raras e notáveis são para os pequeno.

Não poríamos a mão no fogo pelas nossas opiniões: não temos assim tanta certeza delas. Mas talvez nos deixemos queimar para podermos ter e mudar as nossas opiniões.

O filósofo, como o entendo, é um explosivo terrível na presença do qual tudo está em perigo.

É necessário ter o caos aqui dentro para gerar uma estrela.

Todo tipo de absoluto indica patologia.

Tenho uma palavra a dizer aos que desprezam o corpo. Não lhes peço para mudar de opinião nem de doutrina, mas desfazerem-se do seu próprio corpo o que os tornará mudos.

Se a virtude dorme, acorda refrescada.

Quem não consegue encontrar o caminho para seu próprio ideal leva a vida mais impensada e deslocada que a de um homem que não tem ideal.

Quanta verdade um homem é capaz de suportar?

O que é bom? Tudo que eleve no homem o sentimento de potência, a vontade de potência, a própria potência.

O cristianismo perverteu a Eros, este não morreu, mas degenerou-se, tornou-se um vício.

No elogio há muito maior indiscrição que na censura.

Nada lhe pertence mais que seus sonhos.

Graças à música as paixões encontram gozo em si mesmas.

Falar muito de si mesmo pode ser também um modo de se esconder.

Desejas predispor alguém a teu favor? Finge-te embaraçado diante dele.

A mulher aprende a odiar à medida que desaprende a fascinar.

Acabamos por amar nosso próprio desejo, em lugar do objeto desejado.

As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras.

As mesmas paixões no homem e na mulher são diferentes em seu andamentoe é por isso que o homem e a mulher jamais deixam de se desentender.

O homem se define como ser que avalia, como ser que ama por excelência.

As raças laboriosas encontram uma grande moléstia em suportar a ociosidade.

O mundo real é bem menor do que o mundo da imaginação.

Nada mais hipócrita do que a eliminação da hipocrisia.

Temos a arte para não morrer com a verdade.

Toda convicção é um cárcere.

Um filósofo casado é, para ser claro, uma figura ridícula.

Eu preciso de parceiros, mas colegas vivos; não mortos e cadáveres que tenha que levar com dificuldade por onde eu for.

A singeleza e naturalidade são o supremo e último fim da cultura.

A demência no indivíduo é algo raro; nos grupos, nos partidos, nos povos, nas épocas, é a regra.

A idade de casar chega muito antes que a de querer.

Todos os poços profundos vivem com lentidão suas experiências: têm que esperar longo tempo até saber o que foi que caiu em sua profundidade.

O que fazemos não é nunca compreendido, e sempre é acolhido só pelos elogios ou pela crítica.

Em alguns a castidade é uma virtude, em muitos é quase um vício.

Os que mais amaram ao homem lhe fizeram sempre o máximo dano. Exigiram dele o impossível, como todos os amantes.

Não é a vida cem vezes demasiada curta para aborrecermo-nos?

A esperança é um estimulante vital muito superior à sorte.

O casamento acaba muitas loucuras curtas com uma longa estupidez.

Na vingança, como no amor, a mulher é mais bárbara que o homem.

É o homem só uma falha de Deus, ou Deus só uma falha do homem?

A mulher perfeita é um tipo humano superior ao homem perfeito, mas também é um exemplar bem mais raro.

Os pais têm que fazer muito para compensar o fato de ter filhos.

Alguém esquece um erro depois de tê-lo confessado a outro, mas normalmente o outro não o esquece.

Para chegar a ser sábio, é preciso querer experimentar certas vivências, isto é, meter-se em suas faces. Isso é, certamente, muito perigoso; mais de um sábio já foi devorado ao fazê-lo.

Creio que os animais vêem no homem um ser igual a eles que perdeu de forma extraordinariamente perigosa o são intelecto animal, isto é, que vêem nele um animal irracional, um animal que ri, um animal que chora, um animal infeliz.

Quando tratar com uma mulher não esqueça o chicote.

A palavra mais simples e a carta mais grosseira são melhores, são mais educadas do que o silêncio.

A esperança é o pior dos males, pois prolonga o tormento do homem.

Sem música a vida seria um erro.

A potência intelectual de um homem se mede pela dose de humor que é capaz de utilizar.

Tudo o que se faz por amor, faz-se além do bem e do mal.

Negar a Deus será a única forma de salvar o mundo.

O homem, em seu orgulho, criou a Deus a sua imagem e semelhança.

Deus morreu, sua piedade pelo homem o matou.

Há uma exuberância na bondade que me parece ser maldade.

Ali, onde encontrei seres vivos, encontrei a sede de poder.

O homem parece ter mais caráter quando segue seu temperamento do que quando segue seus princípios.

Os macacos são demasiado bons para que o homem possa descender deles.

O melhor amigo terá provavelmente também a melhor esposa; porque o bom casal descansa no bom talento da amizade.

Quando amamos queremos que nossos defeitos fiquem ocultos, não por vaidade, senão para que não padeça o objeto.

Na dor há tanta sabedoria como prazer; ambas são as duas grandes forças conservadoras da espécie.

O riso é um ser malicioso, mas de consciência calma.

Dez vezes por dia deves rir e regozijar-te; caso contrário te incomodará de noite o estômago, o pai da grande aflição.

Aquele que nega sua própria vaidade costuma possuí-la de forma tão brutal, que deve fechar os olhos se não quiser desprezar a si mesmo.

A vida é um instinto de desenvolvimento, de sobrevivência, de acumulação de forças, de poder.

Deve-se morrer orgulhosamente quando já não é possível viver com orgulho.

A verdade é que amamos a vida, não porque estejamos acostumados a ela, mas porque estamos acostumados ao amor.

Não há razão para procurar o sofrimento, mas se este chega e trata de meter-se em tua vida, não temas; olha-o na cara e com a testa bem levantada.

O homem sofre tão terrivelmente no mundo que se viu obrigado a inventar o riso.

Fé significa não querer saber a verdade.

Todos que desfrutam crêem que o que importa da árvore é o fruto, quando na realidade é a semente. Tenho aqui a diferença entre os que crêem e os que desfrutam.

O que não me mata, fortalece-me.

Só compreendemos aquelas perguntas que podemos responder.

O sexo é uma armadilha da natureza para não se extinguir.

Somente aquele que constrói o futuro tem direito de julgar o passado.

O amor e o ódio não são cegos, mas estão cegados pelo fogo que carregam dentro.

Todo idealismo frente à necessidade é um engano.

A guerra volta estúpida ao vencedor e rancorosa ao vencido.

O absurdo de uma coisa não prova nada contra sua existência, é bem mais uma condição dela.

Quem tem algo por que viver, é capaz de suportar qualquer coisa.

O grande estilo nasce quando o belo obtém a vitória sobre o enorme.

Todo hábito faz nossa mão mais engenhosa e nosso gênio mais torpe.

Se só se desse esmolas por piedade, todos os mendigos estariam mortos de fome.

Nada é mais necessário do que a verdade e, com relação a ela, tudo o demais não tem mais do que um valor de segundo ordem.

Não querer matar, não querer ferir a ninguém, pode ser tanto uma amostra de justiça como de timidez.

A mentira mais comum é aquela com a que um homem engana a si mesmo. Enganar aos demais é um defeito relativamente vão.

Ninguém pode construir a ponte sobre a qual tenha de passar o rio da vida; ninguém, a não ser tu.

O que mais me molestou não é do que me tenhas mentido mas sim do que, daqui em diante, não poderei acreditar em ti.

As pessoas que brindam sua plena confiança crêem por isso ter direito à nossa. É um erro de raciocínio: os dons não dão direito.

A vantagem de ter má memória é que se goza muitas vezes das mesmas coisas.

A maneira mais desagradável de replicar numa polêmica é a de enojares e a de calar, pois o agressor interpreta ordinariamente o silêncio como um desprezo.

A maturidade do homem é ter voltado a encontrar a seriedade com que jogava quando era menino.

A boa memória é as vezes um obstáculo ao bom pensamento.

A crueldade é um dos prazeres mais antigos da humanidade.

Há sempre um pouco de loucura no amor; mas sempre há um pouco de razão na loucura.

Há que voltar à multidão, seu contato endurece e pule, a solidão amacia e apodrece.

Há espíritos que escurecem suas águas para fazê-las parecer profundas.

É preferível morrer a odiar e temer: é preferível morrer duas vezes a fazer-se odiar e temer.

O arrependimento é como a mordedura de um cachorro numa pedra: uma tolice.

Quantos homens se precipitam para a luz, não para ver melhor mas para brilhar.

Não há nada que deprima mais o ser humano (mais depressa) do que a paixão do ressentimento.

Se se quer ser alguém, deve venerar-se a própria sombra.

Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo.

Fiquei magoado, não por me teres mentido, mas por não poder voltar a acreditar-te.

Os erros de grandes homens… são mais fecundos que as verdades de pequenos.

O verdadeiro homem quer duas coisas: perigo e jogo. Por isso quer a mulher: o jogo mais perigoso.

O amor é o estado no qual os homens têm mais probabilidades de ver as coisas tal como elas não são.

A consciência é a última e mais tardia evolução da vida orgânica e, por conseguinte, o que nela existe de menos acabado e de mais frágil.

O homem é definido como um ser que evolui, como o animal é imaturo por excelência.

Não posso acreditar num Deus que quer ser louvado o tempo todo.

Logo que, numa inovação, nos mostram alguma coisa de antigo, ficamos sossegados.

Os métodos são as verdadeiras riquezas.

Há uma exuberância na bondade que parece ser maldade.

Há uma inocência na mentira que é o sinal da boa fé numa causa.

A vaidade dos outros só vai contra o nosso gosto quando vai contra a nossa vaidade.

Às vezes, por amor à humanidade, abraça-se um ser qualquer (porque não se pode abraçar toda a gente): mas é precisamente isto que não se deve revelar ao tal ser qualquer…

No elogio há mais impertinência do que na censura.

Em homens duros a intimidade é questão de pudor – e algo de precioso.

É verdade que se mente com a boca; mas a careta que se faz ao mesmo tempo diz, apesar de tudo, a verdade.

O amor revela as qualidades sublimes e ocultas do que ama, – o que nele há de raro, de excepcional: nesse aspecto facilmente engana quanto ao que nele há de habitual.

‘O nosso próximo não é o nosso vizinho, mas o vizinho deste’ – assim pensam todos os povos.

Os poetas são impudicos para com as suas vivências: exploram-nas.

Logo que comunicamos os nossos conhecimentos, deixamos de gostar deles suficientemente.

Não é só a razão, mas também a nossa consciência, que se submetem ao nosso instinto mais forte, ao tirano que habita em nós.

A idéia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más.

O sentido do trágico aumenta e diminui com a sensualidade.

A objeção, o desvio, a desconfiança alegre, a vontade de troçar são sinais de saúde: tudo o que é absoluto pertence à patologia.

Não basta ter-se talento: é preciso ter-se o vosso assentimento para o possuir, – não é verdade, meus amigos?

Levar insidiosamente o próximo a uma boa opinião de nós e, depois, acreditar piamente nessa boa opinião: quem consegue imitar nesta habilidade as mulheres?

Quem luta com monstros deve velar por que, ao fazê-lo, não se transforme também em monstro. E se tu olhares, durante muito tempo, para um abismo, o abismo também olha para dentro de ti.

Comparando no seu conjunto homem e mulher pode dizer-se: a mulher não teria engenho para se enfeitar se não tivesse o instinto do papel ‘secundário’ que desempenha.

Se uma mulher tem inclinações eruditas é porque, em geral, há algo de errado na sua sexualidade. A esterilidade predispõe a uma certa masculinidade do gosto; é que o homem, com vossa licença, é de fato ‘o animal estéril’.

A nossa vaidade gostaria que o que fazemos melhor fosse considerado como aquilo que mais nos custa. Para explicar a origem de certas morais.

Na vingança e no amor a mulher é mais bárbara do que o homem.

Nós fazemos acordados o que fazemos nos sonhos: primeiro inventamos e imaginamos o homem com quem convivemos – para nos esquecermos dele em seguida.

No convívio com sábios e artistas facilmente nos enganamos no sentido oposto: não é raro encontrarmos por detrás dum sábio notável um homem medíocre, e muitas vezes por detrás de um artista medíocre – um homem muito notável.

Um procura um parteiro para os seus pensamentos, outro alguém a quem possa ajudar: é assim que nasce uma boa conversa.

É só dos sentidos que procede toda a autenticidade, toda a boa consciência, toda a evidência da verdade.

É pelas próprias virtudes que se é mais bem castigado.

Quanto mais abstrata for a verdade que queres ensinar, mais tens que seduzir os sentimentos a seu favor.

Um povo é o rodeio da natureza para chegar a seis ou sete grandes homens. – Sim: e para depois se desviar deles.

Se temos que mudar de opinião a respeito de alguém levamos-lhe muito a mal o incômodo que assim nos causa.

Em certas pessoas, o alegrar-se com um elogio é apenas uma delicadeza do coração – e precisamente o contrário de uma vaidade do espírito.

A sensualidade ultrapassa muitas vezes o crescimento do amor, de forma que
a raiz permanece fraca e arranca-se facilmente.

Há uma inocência na admiração: é a daquele a quem ainda não passou pela cabeça que também ele poderia um dia ser admirado.

A vontade de superar um afeto não é, em última análise, senão vontade de um outro ou de vários outros afetos.

Onde não intervém o amor ou o ódio, a mulher sai-se mediocremente.

Quem se sente predestinado para a contemplação e não para a fé acha todos os crentes demasiado barulhentos e impertinentes: evita-os.

É mais difícil ferir a nossa vaidade justamente quando foi ferido o nosso orgulho.

Os advogados de um criminoso só raras vezes são suficientemente artistas para aproveitar em favor do réu a terrível beleza do seu ato.

O criminoso não está, muitas vezes, à altura do seu ato: amesquinha-o e difama-o.

Não há fenômenos morais, mas apenas uma interpretação moral de fenômenos…

Uma vez tomada a decisão de não dar ouvidos mesmo aos melhores contra-argumentos: sinal do caráter forte. Também uma ocasional vontade de se ser estúpido.

Perante nós mesmo todos fingimos ser mais ingênuos do que somos: é deste modo que descansamos dos nossos semelhantes.

Quando adestramos a nossa consciência, ela beija-nos ao mesmo tempo que nos morde.

Como? Um grande homem? Eu apenas vejo o ator representando o seu próprio ideal.

Ter-se vergonha da sua imoralidade: é um degrau na escada em cujo extremo se tem também vergonha da nossa moralidade.

Quem, em prol da sua boa reputação, não se sacrificou já uma vez – a si próprio?

Os homens graves e melancólicos ficam mais leves graças ao que torna os outros pesados, o ódio e o amor, e assim surgem de vez em quando à sua superfície.

As vivências terríveis fazem-nos pensar se o seu protagonista não é, ele próprio, algo de terrível.

Começamos a desconfiar das pessoas muito inteligentes quando ficam embaraçadas.

É terrível morrer de sede no mar. Porque haveis então de salgar a vossa verdade de modo a que não – mate já a sede?

Uma alma que se sabe amada, mas que por sua vez não ama, denuncia o seu fundo: – vem á superfície o que nela há de mais baixo.

Quem se despreza a si próprio não deixa mesmo assim de se respeitar como desprezador.

Com os princípios quer-se tiranizar os hábitos, ou justificá-los ou honrá-los ou injuriá-los ou escondê-los: – dois homens com princípios iguais querem, verosimilmente, atingir com eles algo de fundamentalmente diferente.

Em tempo de paz o homem belicoso ataca-se a si próprio.

Um homem de gênio é insuportável se, além disso, não possuir pelo menos duas outras qualidades: gratidão e asseio.

Quem atinge o seu ideal, ultrapassa-o precisamente por isso.

O sábio como astrónomo. – Enquanto sentires as estrelas como algo que está ‘por cima de ti’ não possuis ainda o olhar do homem que sabe.

Observou-se mal a vida se não se tiver visto também a mão que, de uma maneira especialmente cuidadosa – mata.

‘Fui eu que o fiz’, diz a minha memória. ‘Não posso ter feito isso’, – diz o meu orgulho e mantém-se inflexível. Por fim – é a memória que cede.

O amor por um só é uma barbaridade: porque se exerce à custa de todos os outros. O mesmo quanto ao amor por Deus.

O atrativo do conhecimento seria pequeno se no caminho que a ele conduz não houvesse que vencer tanto pudor.

Quem for fundamentalmente um mestre, apenas toma a sério tudo o que se relaciona com os seus discípulos, – incluindo a si próprio.

Se um homem tiver realmente muita fé, pode dar-se ao luxo de ser cético.

Perdido seja para nós aquele dia em que não se dançou nem uma vez! E falsa seja para nós toda a verdade que não tenha sido acompanhada por uma gargalhada!

As próprias mulheres, no fundo de toda a sua vaidade pessoal, têm sempre um desprezo impessoal – pela mulher.

Para a mulher, o homem é um meio: o objetivo é sempre o filho.

Se se tem caráter, tem-se também uma experiência típica própria, que sempre retorna.

Se os esposos não vivessem juntos, haveria mais matrimónios felizes.

No matrimónio existem apenas obrigações e alguns direitos.

Tudo na mulher é adivinha e tudo nela tem uma única solução e essa é a gravidez.

Querer a verdade é confessar-se incapaz de a criar.

Aquele que vive de combater um inimigo tem interesse em o deixar com vida.

Quando se amarra bem o próprio coração e se faz dele um prisioneiro, pode-se permitir ao próprio espírito muitas liberdades.

As convicções são inimigos da verdade bem mais perigosos que as mentiras.

Fazer grandes coisas é difícil; mas comandar grandes coisas é ainda mais difícil.

O sucesso tem sido sempre um grande mentiroso.

Muitos são os obstinados que se empenham no caminho que escolheram, poucos os que se empenham no objetivo.

Não é a força mas a constância dos bons resultados que conduz os homens à felicidade.

Não há fatos, apenas interpretações.

Uma pessoa continua a trabalhar porque o trabalho é uma forma de diversão. Mas temos de ter cuidado para não deixarmos a diversão tornar-se demasiado penosa.

É difícil viver com as pessoas porque calar é muito difícil.

Elogiamos ou criticamos de acordo com a maior oportunidade que o elogio ou a crítica oferecem para fazer brilhar a nossa capacidade de julgamento.

O que o pai calou aparece na boca do filho, e muitas vezes descobri que o filho era o segredo revelado do pai.

Se não se tem um bom pai, é preciso arranjar um.

Deus está morto: mas, considerando o estado em que se encontra a espécie humana, talvez ainda por um milénio existirão grutas em que se mostrará a sua sombra.

Culpamos as pessoas das quais não gostamos pelas gentilezas que nos demonstram.

O que é o macaco para o homem? Uma risada ou uma dolorosa vergonha.

Onde amor e ódio não concorrem ao jogo, o jogo da mulher torna-se medíocre.

Na minha vida ainda preciso de discípulos, e se os meus livros não serviram de anzol, falharam a sua intenção. O melhor e essencial só se pode comunicar de homem para homem.

Quem só tem o espírito da história não compreendeu a lição da vida e tem sempre de retomá-la. É em ti mesmo que se coloca o enigma da existência: ninguém o pode resolver senão tu!

Não há outro critério da verdade senão o crescimento do sentimento de poder.

A vontade é impotente perante o que está para trás dela. Não poder destruir o tempo, nem a avidez transbordante do tempo, é a angústia mais solitária da vontade.

A vida mais doce é não pensar em nada.

Se não se tem um bom pai, é preciso arranjar um.

Deus está morto: mas, considerando o estado em que se encontra a espécie humana, talvez ainda por um milénio existirão grutas em que se mostrará a sua sombra.

Culpamos as pessoas das quais não gostamos pelas gentilezas que nos demonstram.

O que é o macaco para o homem? Uma risada ou uma dolorosa vergonha.

Onde amor e ódio não concorrem ao jogo, o jogo da mulher torna-se medíocre.

Na minha vida ainda preciso de discípulos, e se os meus livros não serviram de anzol, falharam a sua intenção. O melhor e essencial só se pode comunicar de homem para homem.

Quem só tem o espírito da história não compreendeu a lição da vida e tem sempre de retomá-la. É em ti mesmo que se coloca o enigma da existência: ninguém o pode resolver senão tu!

Não há outro critério da verdade senão o crescimento do sentimento de poder.

A vontade é impotente perante o que está para trás dela. Não poder destruir o tempo, nem a avidez transbordante do tempo, é a angústia mais solitária da vontade.

A vida mais doce é não pensar em nada.

Encontra-se sempre, aqui e ali, algum semi-deus que consegue viver em condições terríveis, e viver vencedor! Quereis ouvir os seus cantos solitários? Escutai a música de Beethoven.

A música oferece às paixões o meio de obter prazer delas.

Toda a arte e toda a filosofia podem ser consideradas como remédios da vida, ajudantes do seu crescimento ou bálsamo dos combates: postulam sempre sofrimento e sofredores.

O homem procura um princípio em nome do qual possa desprezar o homem. Inventa outro mundo para poder caluniar e sujar este; de fato só capta o nada e faz desse nada um Deus, uma verdade, chamados a julgar e condenar esta existência.

Sou demasiado orgulhoso para acreditar que um homem me ame: seria supor que ele sabe quem sou eu. Também não acredito que possa amar alguém: pressuporia que eu achasse um homem da minha condição.

Quando por acaso a verdade conseguiu vencer, perguntai a vós próprios com uma forte desconfiança: ‘Que poderoso erro se bateu por ela?’

Todos vós, que amais o trabalho desenfreado (…), o vosso labor é maldição e desejo de esquecerdes quem sois.

O ser refutável não é o menor dos encantos de uma teoria.

A grandeza do homem consiste em que ele é uma ponte e não um fim; o que nos pode agradar no homem é ele ser transição e queda.

O homem é uma corda esticada entre o animal e o super-homem, uma corda por cima do abismo.

Torna-te aquilo que és.

Apenas devia ser possuidor quem tem espírito: não sendo assim, a fortuna é um perigo público.

O homem precisa daquilo que em si há de pior se pretende alcançar o que nele existe de melhor.

Até Deus tem um inferno: é o seu amor pelos homens.

O esforço dos filósofos tende a compreender o que os contemporâneos se contentam em viver.

Só se pode alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a nós mesmos.

Saber é compreendermos as coisas que mais nos convém.

Aquele que sabe mandar encontra sempre quem deva obedecer.

O castigo foi feito para melhorar aquele que o aplica.

As mulheres podem tornar-se facilmente amigas de um homem; mas, para manter essa amizade, torna-se indispensável o concurso de uma pequena antipatia física.

Quanto mais nos elevamos, menores parecemos aos olhos daqueles que não sabem voar.

Os leitores extraem dos livros, consoante o seu caráter, a exemplo da abelha ou da aranha que, do suco das flores retiram, uma o mel, a outra o veneno.

Os grandes intelectuais são céticos.

O medo é o pai da moralidade.

O homem que vê mal vê sempre menos do que aquilo que há para ver; o homem que ouve mal ouve sempre algo mais do que aquilo que há para ouvir.

A moralidade é a melhor de todas as regras para orientar a humanidade.

Aforismo e sentença são formas eternas. Orgulho-me de dizer em dez palavras o que outros dizem em vários volumes.

A vaidade alheia só nos é antipática quando vai de encontro a nossa.

Não existe, na realidade, entre a religião e a ciência nem parentesco, nem amizade, nem inimizade: elas vivem em esferas diferentes.

Eu também quero a volta à natureza. Mas essa volta não significa ir para trás, e sim para a frente.

Já dei tudo. Nada me resta de tudo quanto tive, exceto tu, esperança!

Nenhum vencedor acredita no acaso.

É um pensador: isto quer dizer que se empenha em tomar as coisas com maior simplicidade que realmente contém.

A maneira mais pérfida de prejudicar uma causa é defendê-la intencionalmente com más razões.

Quem possui até o presente a eloquência mais convincente? O rufar do tambor, enquanto os reis o tiverem sob o poder serão os melhores agitadores populares.

As explicações místicas são consideradas profundas. Na verdade falta-lhes ainda muito para que sejam superficiais.

O amor perdoa mesmo o desejo do ser amado.

Quando o reconhecimento de um grande número por um único repele qualquer espécie de pudor, a glória começa a nascer.

Nossos pensamentos são as sombras de nossos sentimentos – sempre mais obscuros, mais vazios, mais simples que estes.

Hoje é pobre, mas não porque lhe tenham tirado tudo, sim pela recusa de tudo. Que lhe importa?! Está habituado a encontrar. Os pobres compreendem mal sua voluntária pobreza.

Entre os ricos a liberdade é uma espécie de timidez.

Não pretendo ser feliz, mas verdadeiro.

Toda virtude tem seus privilégios: por exemplo, o de levar seu próprio feixezinho de lenha para a fogueira do condenado.

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade.

Abençoados os que têm sono, pois não tardarão em dormir.

Não é a força do sentimento elevado, é a sua duração que faz os homens superiores.

A profissão é a espinha dorsal da vida.

Nunca odiamos aos que desprezamos. Odiamos aos que nos parecem iguais ou superiores a nós.

Em geral, as mães, mais que amar os filhos, amam-se nos filhos.

A maior punição que nos atrai são as nossas virtudes.

A felicidade é mulher.

Não dou esmolas; para isso não sou bastante pobre.

Quanto mais inteligente a mulher, tanto mais se afasta o homem.

A mulher foi o segundo erro de Deus.

Somos muito injustos com Deus. Não Lhe permitimos nem pecar.

O mais valoroso dentre todos nós raras vezes tem o valor de afirmar tudo o que sabe.

Mentimos com a boca, mas os gestos denunciam a verdade.

Viver quer dizer ser cruel e implacável contra tudo o que em nós se torna fraco e velho.

O inimigo mais perigoso que você poderá encontrar será sempre você mesmo.

Falando francamente, por vezes é necessário irritarmo-nos para que as coisas corram bem.

Vêde os crentes de todas as crenças: a quem eles odeiam mais? Àquele que quebra suas tábuas de valores, o quebrador, o infrator – mas este, é o Criador!


Compartilhar:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta